Página principal

De Sala Brusque Virtual

Edição feita às 18h10min de 15 de dezembro de 2020 por Alicas (disc | contribs)
(dif) ← Versão anterior | ver versão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

PROIBIDA A REPRODUÇÃO DO CONTEÚDO SEM AUTORIZAÇÃO POR ESCRITO DO DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA FUNDAÇÃO CULTURAL DE BRUSQUE, EXCETO PARA FINS ACADÊMICOS OU DIDÁTICOS.

Acervo Sala Brusque
História dos Bairros

Guarani · Jardim Maluche · São Luiz · Santa Terezinha · Santa Rita · Águas Claras · Azambuja · Bateas · Cedrinho · Centro · Cerâmica Reis · Cristalina · Dom Joaquim · Limeira · Limoeiro · Nova Itália · Paquetá · Planalto · Poço Fundo · Ponta Russa · Primeiro de Maio · Rio Branco · Santa Luzia · São João · São Pedro · Souza Cruz · Steffen · Thomaz Coelho · Volta Grande · Nova Brasília · Zantão

Como pesquisar em
Personalidades

Artistas · Políticos · Religiosos · Educadores

Brusque 150 anos

Síntese Histórica · Livro · Desfile · Praças · Exposições · Mostras · Igreja Luterana

Casa de Brusque

Revista · Fotos · Acervo

Os donos da terra: Xokleng

  • Marlus Niebuhr

Quando enfocamos nosso olhar para o sul do Brasil e o tema são os povos que habitavam esta terra, buscamos as palavras do antropólogo Sílvio Coelho dos Santos, no seu livro “Índios e brancos no sul do Brasil: a dramática experiência dos Xokleng”:
No território em foco, duas regiões podem facilmente ser distinguidas: litoral e planalto. Entre este ou aquele, a floresta subtropical cobria as serranias e os vales, dificultando a penetração. Este obstáculo natural impossibilitou as empreitadas escravocratas dos portugueses e permitiu abrigo às populações que logravam pressentir a aproximação dos atacantes. No primeiro século da conquista, entretanto, os “Carijó” foram dizimados ou levados para os mercados de escravos de São Vicente. Na região de florestas e campos, da encosta e do planalto, permaneceram dois grupos tribais: os Xokleng e os Kaingang. (...)
Clique no título para continuar lendo: Os donos da terra: Xokleng


10 de abril:

  • 1915 - Gazeta Brusquense noticia que o médico cirurgião e parteiro, Dr. Emílio Petry fixou residência em Brusque, passando a atender no Hospital de Azambuja e a domicílio.
  • 1915 - Superintendência (na época o nome dado à Prefeitura de Brusque) solicita via Gazeta Brusquense que os moradores façam a limpeza das vias públicas na frente de seus terrenos. Era proibido ter capoeiras e árvores a menos de 5 metros das vias públicas.
  • 1925 - Gazeta Brusquense trata da chegada de Carlos Renaux, que traz uma ideia de criar uma fábrica de cimento no Ribeirão do Ouro, que fica próximo de Porto Franco (atual Botuverá), então distrito de Brusque. O impresso dedica duas páginas, enaltecendo o trabalho e a dedicação de Renaux para o progresso da cidade e a colocação do município como uma das cidades mais produtivas e progressistas do estado.
  • 1931 - O Progresso noticia a conclusão da obra do campo do Sport-Club Brusquense. O estádio, que mais tarde ganhou a denominação de Estádio Augusto Bauer, foi finalizado em 17 de maio do mesmo ano.

Nasceram neste dia…

Faleceram neste dia…

Outros dias: 8 · 9 · 10 · 11 · 12 | ver todos…

Mutter Jonk ou Margarethe Jonk
Nascida Todt, era natural da Alemanha. Cedo emigrou para o Brasil, cuja cidadania abraçou, prestando juramento, no dia 27 de setembro de 1857, na Freguesia de Santa Tereza de Valença, no Rio de Janeiro. Casou com Ferdinando Jonk, natural de Holstein, Alemanha, em Petrópolis, tendo desse matrimônio nascido 5 filhos, 42 netos, 88 bisnetos e 4 tataranetos.


Ficheiro:Wbar_pink.jpg

Igreja Santa Teresinha, no bairro Santa Terezinha, registrada momentos antes de ser demolida, em 2003. Acervo FCB/Ifigênia Contesini Vinotti
Ficheiro:Wbar_pink.jpg

"A onda" de Valeriu Ciumacu, participante do Simpósio Internacional de Esculturas do Brasil.
Visualizações
Ferramentas pessoais
Navegação
Ferramentas