Histórico da Comunidade Evangélica de Brusque - Hoje Paróquia Evangélica Luterana de Brusque

De Sala Virtual Brusque
Ir para navegaçãoIr para pesquisar
  • AGUARDANDO REVISÃO

Histórico da Comunidade Evangélica de Brusque hoje Paróquia Evangélica Luterana de Broque Pastor Wern& Brunkeni As primeiras famílias evangélicas provindas da Alemanha (Schleswig — Holstein, Birkenfeld (Oldenburg) e badenses) chega-ram a Brusque com a primeira leva de colonos no dia 4/8/1860. São eles: Augusto Hoefelmann, Frederico Guilherme Neuhaus, Frederico' Orthmann, Daniel Walther e Luis Richter. Todos eram casados e ti-nham filhos. Já em 1861 chegaram novas famílias evangélicas: Felipe Krug, João Carlos. Schuck, Amadeus Feige, Carlos G. 'Werner, José Krieger, Cristiano Albrecht, Henrique [1qühl, Guilherme Krieger, Pedro Stefen, Cristiano Missfeld, Carlos. Sacht, Carlos Krieger, Henriqueta Staalc, Hening Jonk, Pedro Jensen, João Jorge Hass, Frederico Schroeder, Detlef Horst, Joãu Schwartz, Frederico Gehler, Fernando Jonk, Detlef Todt I e II Nicolau içistenmacher, Francisco Pedro Haag, Jocó Krume-nauer, Jocó Willrich, Guilherme Jungblut, Antonio Bretske, Hen-rique Feuneberg, Frederico Kramer, Cristiano Matz, Felipe Krieger, Henrique Niels, Henrique Kbch, João Sabel, Henrique Bettermann e Jacó Korb, que se estabeleceram em Bateas (na margem esquerda do Rio Itajaí Mirim), muitos pomeranos. Em Bateas surgiu também a primeira Casa de Oração em 1871. O serviço religioso dirigido por um dos colonos. , As famílias Evangélicas (237) pessoas — 1862) sentiam-se aban-donadas quanto ao atendimento religioso. Para batizar, casar e con-firmar, precisavam deslocar-se para Blumenau, onde era Pastor o Sr. Oswaldo Hesse. Já no relatório da direção da Colônia, correspondente ao ano de 1861, dirigido ao Presidente da Província, o Diretor destaca a ne-cessidade urgente de um pastor, a fim de ministrar a religião a cerca de 200 evangélicos, residentes na Colônia. Em 1° de janeiro de 18152 foi feito um batismo de emergência pelo colono Eugênio Rieger. A criança chamava-se: Heinrich Paul Gustav Philip Ludwig, filho de Johan J. F. Sabei, nascida no dia 23/ 12/1861. Este ato foi desaprovado pelo diretor interino da Colônia, João André Gogoy Júnior, que afirmava que a criança gozava de per-feita saúde e não havia necessidade de realizar tal batismo. Este foi a-tificado pelo Pastor aswaldo Hes2e no dia 21/04/1863. No relatório da Colônia de 1862 o Diretor da Colônia, Barão Maximiliano de Schneéburg descreveu a situação da Comunidade E-vangélica com as palavras: "Cs colonos evangélicos fizeram também nas Bateas e à suas — 91 — expensas uma pequena casa também de fraca construção em que se reunem nos Domingos para o seu Culto. No primeiro relatório sobre o ano de 1861, pediu a Diretoria ao Exmo. Sr. Presidente, como no presente relatório também submeto o mesmo pedido ao conhecimen-to e a benignidade na determinação de Va. Excia., que se digne in-cumbir ao Ministro Evangélico da Colônia Blumenau de visitar, pelo menos enquanto o Governo não mandar sacerdotes (alemães) de am-bos os Dogmas da Fé, para residirem nesta Colônia, alguma vez no ano, este Estabelecimento, afim de ministrar aos seus Correligiosos os Sacramentos; aonde existem. já 237 colonos protestantes que há mais de 2 anos ainda nem uma vez tiveram o consolo de socorro es-, piritual, havendo entre eles grande número de crianças a batizar e casamentos a ratificar". No livro de "avisos" mais antigo da Comunidade Evangélica de Blumenau encontramos referências a Brusque. No 2° dia da Pás-coa de 1863 o Pastor Oswaldo Hes:se comunicou à sua Comunidade: "Comunico à Comunidade cristã, que nos. próximos dias visitarei para atendimento religioso os evangélicos da Colônia de Brusque por or-dem do Presidente da Província. Por causa deste fato os cultos aqui não serão realizados nos dois próximos domingos (dias 12 e 19 de abril). Conforme dados do Pastor Henrique Sandreczki, no dia 17 de abril de 1863 foi aprovada a primeira "ordem da Comunidade de Brusque" com a presença do Pastor Oswaldo Hesse de Blumenau, sen-do esta a "data oficial" da fundação da Comunidade Evangélica de Brusque. O primeiro Culto foi realizado no dia 19 de abril de 1863 pelo Pastor lOswaldo Hesse. Neste culto foi realizado o primeiro batismo oficial por um pastor aqui em Brusque. Trata-se de Heinrich Frie-drich Kühl. No dia 20 e no dia 23 de abril seguiram-se outros batis-mos e casamentos. O livro de Ofícios da Comunidade registra tam-bém a primeira confirmação: Friedrich Neuhaus no dia 9 de julho de 1875, o primeiro enterro registrado foi de Gustav Neuhaus com 14 anos no dia 23 de março de 1865. O primeiro casamento registrado é de Johann W. 'Wandrey com Maria Carlota Johanna Jonk no dia 1° de novembro de 1865. O Diretor da Colônia solicitou. ao Presidente da Província que ajudasse a pagar as despesas do Pastor Oswaldo Hesse, para que este pudesse vir de 3 em a meses a Brusque. Foi o que o Pastor Hesse fez: vinha no espaço de 3 meses e permanecia aqui de 8 à 14 dias. Os cultos e ofícios eram realizados na casa primitiva de palmitos em Bateas, no rancho da imigração, sem assoalho e sem janelas. Estas visitas periódicas foram feitas até o início de 18r:'5, quando Brusque recebeu seu primeiro Pastor: Johann, Anton Heinrich Sandreczki. Este foi ordenado pastor no dia 21 de fevereiro de 1864 em Hürtinger (Suiça) e designado pela Missão da BasMia para ser pregador — 92 — para colonos alemães no Brasil, precisamente para ser pastor na Co-lônia de Brusque. Chegando ao Brasil atendeu primeiramente as Co-munidades de Terezópolis e Santa Izabel. Só em fevereiro de 1865 chegou a Brusque. Escreve o Pastor Sandreczki sobre a sua chegada a Brusque: "Depois de quatro dias cavalgando uma mula, sozinho, ali cheguei de surpresa, sem cantos nem toques de sinos de recepção pública e me apresentei ao Diretor da Colônia, o Barão von Schneéburg, um an-tigo oficial austriíaco" Casa paroquial não havia. Ainda solteiro, residiu com o Secretário da Colônia, Max von Barowski. Tratou logo de comprar um terreno, que conseguiu por preço razoável do Governo e construiu sua casa própria, com 2 cômodos e cozinha. Casou-se com Elisabeth Groben no dia 09/10/1868 no Rio de Janeiro. Seu or-denado era pago pelo Governo Imperial. Sobre o local para o Serviço Divino da Comunidade Evangélica relata o P. Sandreczki: "Foi-me mostrado um compartimento no an• tigo, primitivo e tosco rancho de recepção de imigrantes. As paredes do compartimento eram de barro e a cobertura de folhas de palmito. No chão de terra batida, sem assoalho, haviam fincado estacas sobre as quais tábuas serviam de bancos. Uma mesa grosseira, tendo um acréscimo em forma de tribuna, era a combinação de altar e púlpito". O P. Sandreczki era de opinião que as famílias (já 220) que não tinham despesas com o pastor, estariam em condições de cons-truir sua própria igreja. Foi assim que em 21/11/1865 foi aprovada uma nova "Ordem da Comunidade". Todos os domingos eram reali-zados Cultos. Em 18166 requereu do Governo um lote de terra para construção da igreja e casa paroquial. Em 1869 iniciou-se a constru-ção da la capela, inaugurada em 1872. Iniciou-se a construção da capela, pois o rancho onde se realizavam os cultos tinha desmorona-do e agora estavam sem casa de oração. Sobre a primeira capela diz ainda o P. Sandreczki: "O Governo ajudou com uma pequena verba e construiu--se a igreja, não suntuosa, mas digna". O principal orna-mento do altar dessa igreja era urna cópia do quadro "A descida da Cruz" de Rubens, doado pela Rainha da Prússia. O harmônio foi doa-ção da Fundação Gustavo Adolfo, de Stuttgart. Observação: O quadro ainda hoje está no altar da igreja e o harmônio em uso no Centro Evangélico. Uma das medidas tomadas pelo P. Sandreczki em 1870 não a-gradou, à Comunidade, a saber, a decisão que só crianças com 14 anos completos e que soubessem ler e escrever poderiam ser confirmadas. Diz ele que esta medida tornou-se uma bênção para a Comunidade. A casa Paroquial construída em 1881 era propriedade do P. Sandrecz-ki e foi transferida mais tarde para a Comunidade. No relatório de 1872 o P. Sandreczki acentuou a necessidade de ter uma Escola Evangélica, pois os filhos dos imigrantes não po-deriam ficar sem aprendizagem na escrita e leitura. Empenhou-se pe-la causa, e em 20/04/1872 fundou a Escola Evangélica, fique inicial- 93-- mente funcionou numa sala anexa à sua casa. Já em 1873 a Escola era freqüentada por 54 crianças. Em 1878 concluiu-se o primeiro pré-dia da Escola. O Pastor Sandreczki foi professor da Escola até o ano de 1880. A Diretoria da Comunidade resolveu no dia 14 de julho de 1872 que os cultos dominicais seriam realizados só na igreja da sede da Colônia. Em outros lugares haveria culto só em caso de extrema ne-cessidade. (Centralização do trabalho — hoje estamos descentrali-zando para melhor atingir os evangélicos — já contamos com nove filiais e a matriz). Esta medida tinha como objetivo criar um "senti-mento de comunidade" entre as famílias evangélicas, pois viviam mui-to afastadas umas das outras. Já nos primeiros anos de sua existência, houve problemas di-fíceis para superar, principalmente no sentido financeiro. Até 1882 o Governo pagava o ordenado do Pastor. Mas as famílias eram respon-sáveis financeiramente para as demais despesas da Comunidade e Es-cola. Mas muitos não tinham compreensão para esta responsabilida-de. Muitos nem sequer pagavam as contribuições anuais. Diz um documento de 1928 que os relatórios anuais estavam repletos de quei-xas sobre a situação financeira da Comunidade. Em 1881, por sugestão de um membro de Comunidade, o P. Sandreczki falou numa Assem-bléia sobre o tema: "Para que precisamos uma tesouraria na Comuni-dade". Nesta palestra o P. Sandreczki fez a seguinte proposta: "Va-mos desintegrar a Comunidade, alugar a igreja e despedir-se de Deus, porque os tempos ficaram ruins e porque a fé, o amor e a esperança acabaram". Também a organização externa tinha problemas a superar. Foi assim que no dia 7/03/1875 o P, Sandreczki teve que tomar uma de-cisão arrojada contra 29 evangélicos, que não tinham assinado os Es-tatutos da Comunidade e agora exigiam uma Assembléia da mesma. A sua decisão foi: Só aqueles são membros da Comunidade, os que aceitam os Estatutos e só estes têm o direito de fazer propostas e ajudar a decidir. A esta altura registramos que o P. H. Sandreczki deixou a Co-munidade de Brusquqe em fins de agosto de 1880. Transferiu-se para Blumenau, donde visitava mensalmente a Comunidade de Brusque até o ano de 1889 (21/8) . Mas continuou sendo o Pastor responsá-vel pela Comunidade. Criando problemas para a existência da Comunidade foi fun-dade no dia 4 de maio de 1883 a "Sociedade Eclesiástica Evangélica" (Evangelisch kirchlicher VereM) com 'estatuto prelprios. Grande parte dos evangélicos filiaram-se a esta sociedade, que deveria defen-der juridicamente as causas da Comunidade, que no momento esta-va sem estatutos. Esta Sociedade deveria pagar o ordenado mensal do pastor (parte era pago por Blumenau). Entretanto, esta Socieda- - 94 —

de existiu só pouco tempo. Já em 18.814 voltou a integrar-se à Comu-nidade, que ainda não funcionava com suas assembléias. Somente no dia 22 de fevereiro de 1885 deu-se uma mudança na organização. Até então a Assembléia era formada pelos pais de família. E isto não funcionou. De agora em diante seriam "eleitos delegados", que como representantes de sua região, assumiriam cer-tas responsabilidades (este princípio ainda hoje está em uso) . Esta proposta foi aceita. No lugar da Assembléia da Comunidade existia agora um Conselho Comunitário composto por 21 delegados. Os es-tatutos aprovados em 1885 foram substituídos por novos em 1907. Em 1885 a Comunidade possuia 212 famílias. Com a saída do P. H. Sandreczki para Blumenau (18810) o pro-fessor E. F. Geithner assumiu a direão da Escola Evangélica. Tam-bém ajudava nos serviços da Comunidade, realizando cultos de lei-tura. enterros e distribuição da Santa Ceia aos doentes. Isto era ne-cessário, pois o P. Sandreczki vinha a Brusque só 6 vezes por ano. A partir de 1887 a Comunidade expressou que a vinda do P. Sandreczki 6 vezes por ano era demais e resolveu fazer um acordo com o Pastor. Sobre este acontecimento dizem os registros: "Para a Comunidade a palavra de Deus tinha se tornado muito dispendiosa". Mas o P. Sandreczki não concordou com este plano. Tudo permane-ceu como antes e houve uma contraproposta: ao completar em 1890' 25 anos de serviços à Comunidade, ele deveria receber uma soma de 500 mil réis como doação pela sua dedicação. Esta proposta foi assi-nada por 31 pessoas. Em agosto de 1889 o P. Sandreczki visitou a Comunidade de Brusque pela última vez, transferindo-se para os Estados. Unidos. Mesmo havendo vozes contrárias às visitas periódicas do P. Sandreczki, houve vozes fortes a partir de fevereiro de 1887, que de-sejavam ter um Pastor residindo novamente em Brusque. E no dia 9 de julho de 1887, sabendo a Comunidade que o P. Sandreczki iria em-bora definitivamente, resolveu pedir um. Pastor só para si. No Livro de Atas lemos: "Desejamos um Pastor que de coração creia na Pa-lavra de Deus, que em palavras e ações seja um exemplo para nés. O Sr. Carlos Renaux, que tinha em mente viajar para a A-lemanha, foi encarregado de entrar em contato com o Dr. Fabri, Di-retor da Sociedade Evangélica para a América do Sul, para que en-viasse um pastor para Brusque. Depois de longa espera a Comunida-de de Brusque recebeu o seu 2° pastor, Von Czekus, no dia 25 de maio de 1880, que permaneceu em Brusque até o dia 1° de julho de 1897. Em mel foi criada a Sociedade Escolar mantenedora da Escola, subs-tituída posteriormente pela Fundação Educacional Evangélica, man-tenedora do Colégio Cônsul Carlos Renaux. Em 1895 a Escola passou para as dependências da igreja, tendo £,C) alunos.

(Seqüência histórica da Comunidade, no próximo número)

(continuação)

Na primeira parte do históri-co precisamos retificar: "Brusque recebeu o seu segundo pastor Johannes, Julius von Czekus no dia 25 de maio de 1890". Outra retificação: O primeiro harmônio da Comunidade foi vendido em, 1904 para o Sr. Wolf de Floria-nópolis, portanto, não está mais em nossas mãos como afirma-mos na primeira parte de nosso histórico.

CONTINUAÇÃO — Dos anos de 1890 em diante até o ano de 1905 houve muitas reuniões da Sociedade Escolar, examinando a situação financeira da Escola. Tornou-se problemática a manu-tenção da mesma. Anualmente eram feitos pedidos de subvenção ao Governo Estadual. Várias ve-zes o Governo negou ajuda finan-ceira, afirmando, que onde havia escolas do Governo, não havia riecessklade de subvencionar es-colas particulares. Mesmo assim a Sociedade Escolar não deixou de anualmente pedir. Finalmen-te a partir de{ 1895 o Governo pas-sou a pagar subvenções anuais.

O professor Eduardo Fran-cisco Geithner dirigiu a "Escola Particular da Vila de Brusque" até o ano de 1886. Neste ano as-sumiu a direção da Escola o professor Bernhard Howard, que de-dicou-se muito à música, lecio-nando a matéria aos alunos da .Escola, cantando com os mesmos. Acompanhou os hinos no harmô-nio da igreja. Howard permane-ceu até o ano de 1891. Seguiu-o na Direção da Escola o professor Reinhard Graupner.

Na vida da Comunidade os anos do P. von Czekus foram de grande movimento, pois no seu tempo foi construida a igreja no centro da cidade, a qual ainda hoje está de pé, dando testemu-nho do trabalho incansável dos evangélicos no século passado.

A partir de 05 de março de 1893 a Comunidade Evangélica possui todas as atas de reuniões da Diretoria e do 'Conselho da Comunidade. Estas atas foram escritas em alemão no estilo gó-tico até o ano de 1930. Da pri-meira ata de 05/03/18913 desta-camos:

1) O pedido para retelhar a casa do pastor por Rs 500$009 foi aprovado.

2) O pedido para que o P. von Czekus substitua o P. Bun-te de Blumenau foi aprovado.

3) O pedido do zelador por au-mento de salário não foi aprova-do.

4) Nesta Assembléia foi eleita a nova Diretoria da Comuni-dade, constituiria pelos senhores: Presidente: P. J. J. von Czekus; Vice-Presidente: Eduard von Büttner; 1° Secretário: Wilhelm Strecker; 2° Secretário: Paul Scheel; Tesoureiro: Ernst Ulber.

Casa de Brusque
Casa de Orações e Escola Evangélica em 1899 ao tempo do Pastor W. Lange.


O Relatório do Pastor rela-tivo às atividades de 1892 foi bastante minucioso: 63 crianças foram batizadas; 21 casamentos; 20 sepultamentos, 03;5 pessoas participaram da Santa Ceia, 43 jovens foram confirmados, 10.960 adultos e 1.897 crianças partici-param dos cultos.

Quanto à Comunidade filial de Itajaí, fundada em 1870, foi servida por Brusque até o ano de 1970. No relatório do Pastor le-mos: "Em Itajaí realizei 6 cul-tos; distribui a Santa Ceia 2 ve-zes; batizei 3 crianças, sepultei 2 pessoas e realizei 1 casamento. Em Porto Franco (Botuverá) realizei 12 cultos; batizei 8 crian-ças, 1 casamento e 3 vezes distri-bui a Santa Ceia. Na cidade rea-lizei 9 cultos à noite com ensaio de cantos; em Schles■.vig 6 vezes; em Limeira 6; em Águas Claras 5; na Rua Tijucas 6; na Rua da Serra 6; na Rua Porto Franco 7 vezes".

(Obs • Em Botuverá não temos mais Comunidade, pois todas as famílias evangélicas sairam de lá logo no início do novo Século).

Até 1889 as igrejas evangéli-cas não podiam ter aspecto de igreja e nem possuir torre ou si-nos. A religião oficial era a Ca-tólica. Com a Proclamação da República (15/11/1089) e pro-mulgação da primeira Constitui-ção Republicana (1891) foi con-cedida liberdade religiosa a to-das as religiões no Brasil. Vemos assim, que a Comunidade Evan-gélica de Brusque logo se movi-mentou, para conseguir uma igre-ja digna de sua fé. Em 29 de maio de 1893 foi constituida a "Comissão de Construção", for-mada pelos senhores P. von Cze-kus, Eduard v. Büttner, Ludwig Spengler, Ernst Ulber, Ludwig Lübke, Wilhelm Strecker. A igre-ja a ser construida teria as se-guintes dimensões: 25 metros de comprimento, 13 metros de lar-gura, 8 metros de altura. O pre-ço da construção seria de R's.... 8:919$000. A Comunidade pos-suía na época um depósito de Rs 1:000$000 na Caixa Econômica. Esta quantia foi usada para a a-quisição de material para a .cons-trução da igreja. A comissão de construção reuniu-se mensalmen-te, para examinar as propostas da compra do material e tinha a incumbência de comprar daque-las pessoas que tivessem a me-lhor qualidade por menor preço. A decisão final para iniciar a construção foi tomada na Assem-bléia Geral Ordinária de 25 de janeiro de 1894. Antes de iniciar a construção da Igreja, foi cons-truido um galpão para guardar o material adquirido. Na Assembléia Geral Extra-ordinária de 11 de março de 1894 foi decidido: 1) O serviço de pedreiro se-ria executado pelo Sr. Ludwig Lübke, que apresentou a melhor oferta. O serviço de carpinteiro seria confiado (ao Sr. Adolf Bruns. Boa parte da madeira será comprada do Sr. Marcos IlôRNER. A areia será adquirida •do Sr. August. Ristow. Outras de-cisões: "Todos os membros são conclamados a dar 5 dias de ser-viço na construção da igreja e quem tiver carroça trabalhar com a mesma 3 dias em benefício da construção". Estando tudo decidido, in clusive o material comprado, foi lançada a Pedra Fundamental da igreja no dia 03 de maio de 1894. Desta data em diante não houve mais interrupção nas obras da construção. Mas já no dia 12 de agosto de 1894 numa Assem-bléia Extraordinária resolveu-se fazer uma campanha em favor da construção da torre. E para po-der cumprir com os compromis-sos da construção, foram em-prestados Rs 2:50015000,de pessoas da Comunidade. Estas receberam. Notas Promissórias (Schulds-cheine), que seriam pagas no es-paço de 5 anos. A inauguração da igreja deu-se no dia 03 de janeiro de 1896. É interessante citarmos as pala-vras que constam do relatório do P. v. Czekus sobre a inaugura-ção da igreja: "Com alegres espe-ranças entramos no novo ano, cada um pedindo a ajuda bondo-sa de Deus, pois no dia 06 de ja-neiro deveria ser inaugurada a nova igreja. Ainda havia muito por fazer, mas onde há uma von-tade ferrenha, aí se chega ao al-vo. Tanto os trabalhadores con-tratados, como também os mem-bros de nossa Comunidade, apli-caram todo o esforço para che-gar a um bom termo. Ainda dois dias antes da inauguração tudo parecia dizer que não haveria inauguração. Mas conseguimos terminar. Dignamente ornamen-tada ela nos abriu a sua porta e nos convidou para entrar, a fim de buscar em seus átrios consolo e salvação. Sob grande número de pessoas da Comunidade, na presença de 6 pastores evangéli-cos e com a presença das autori-dades convidadas, ela foi inaugu-rada no dia 06 de janeiro. Com gratidão ecoaram os hinos, com entusiasmo santo a palavra de Deus foi anunciada e recebida com corações atenciosos. Abri-ram-se corações e mãos, pois a coleta rendeu Rs 532$000 e o al-moço festivo Rs 309$000. Ficou ainda uma dívida de Rs 3 : 044000" .

Estas dívidas foram pagas gra-dativamente até o ano de 1904. Na inauguração da igreja a par-te externa ainda não tinha sido rebocada. Isto foi feito somente a partir de 1898, quando foi feito um novo empréstimo de Rs 2.: 000$000. 'Emprestaram o di-nheiro na ocasião (1899) os se-nhores Henning Joenk Rs 700$000; Hedwig Joenk Rs 300$000 e Ernst Ulber Rs 600$000.

O primeiro sino foi adquirido só depois da inauguração, bem como uma cruz e dois castiçais — tudo veio da Alemanha. Sobre o badalo do sino encontrei as seguintes anotações: "o sino será badalado 3 vezes por dia. Duran-te os enterros 2 vezes (até entrar o esquife na igreja e ao ser leva-do da igreja até o cemitério)". In-teressante é observar que já nes-ta época (1896) o esquife era le-vado à igreja, como o fazemos ainda hoje.

Em 1895, na reunião do Con-selho da Comunidade (20/01), foram tomadas várias medidas quanto à filiação ou não de membros e suas contribuições:

1) Foi aceita a proposta de escalonar as contribuições, isto é, a contribuição seria paga con-forme o que cada um ganhava.

2) Toda família não filiada à Comunidade, pagará a taxa de Rs 25$000 para batismo, confir-mação ou enterro.

Na reunião do Conselho da Comunidade de 02/02/1896 o P. Johannes Julius von. Czekus pe-diu demissão de seu cargo. Per-maneceria na Comunidade até 1°. de julho. A Comunidade aceitou o pedido e logo procurou convo-car outro pastor para a vaga. O Conselho dirigiu-se ao P. Wi-lhelm Lange, servindo em Brue-derthal (hoje Mun. de Guarami-rim), convidando-o para visitar a Comunidade e fazer a sua apre-sentação através dum culto. Já na ata do Conselho da Comunida-de de 1°. de março de 1896 cons-ta que o P. Lange esteve aqui e foi aceito como pastor da Comu-nidade com 15 votos a favor e 1 voto contra. A Diretoria ficat4,au-torizada a fazer um contrato pa-ra 5 anos com o P. Lange. O confamílias evangélicas sairam de lá logo no início do novo Século).

Até 1889 as igrejas evangéli-cas não podiam ter aspecto de igreja e nem possuir torre ou si-nos. A religião oficial era a Ca-tólica. Com a Proclamação da República (15/11/1889) e pro-mulgação da primeira Constitui-ção Republicana (1891) foi con-cedida liberdade religiosa a to-das as religiões no Brasil. Vemos assim, que a Comunidade Evan-gélica de Brusque logo se movi-mentou para conseguir uma igre-ja digna de sua fé. Em 29 de maio de 1893 foi constituida a "Comissão de Construção", for-mada pelos senhores P. von Cze-kus, Elduard v. Büttner, Ludwig Spengler, Ernst Ulber, Ludwig Lübke, Wilhelm Strecker. A igre-ja a ser construida teria as se-guintes dimensões: 25 metros de comprimento, 13 metros de lar-gura, 8 metros de altura. O pre-ço da construção seria de Rs.... 8:919$000. A Comunidade pos-suía na época um depósito de Rs 1:000$000 na Caixa Econômica. Esta quantia foi usada para a a-quisição de material para a cons-trução da igreja. A comissão de construção reuniu-se mensalmen-te, para examinar as propostas da compra do material e tinha a incumbência de comprar daque-las pessoas que tivessem a me-lhor qualidade por menor preço. A decisão final para iniciar a construção foi tomada na Assem-bléia Geral Ordinária de 25 de janeiro de 1894. Antes de iniciar a construção da Igreja, foi cons-truido um galpão para guardar o material adquirido.

Na Assembléia Geral Extra-ordinária de 11 de março de 1894 foi decidido:

1) O serviço de pedreiro se-ria executado pelo Sr. Ludwig Lübke, que apresentou a melhor oferta. serviço de carpinteiro seria confiado (ao ¡Sr. Adolf Bruns. Boa parte da madeira será comprada do Sr. Marcos HóRNER. A areia será adquirida 'do Sr. August. Ristow. Outras de-cisões: "Todos os membros são conclamados a dar 5 dias de ser-viço na construção da igreja e quem tiver carroça trabalhar com a mesma 3 dias em benefício da construção".

Estando tudo decidido, in-clusive o material comprado, foi lançada a Pedra Fundamental da igreja no dia 03 de maio de 1894. Desta data em diante não houve mais interrupção nas obras da construção. Mas já no dia 12 de agosto de 1894 numa Assem-bléia Extraordinária resolveu-se fazer uma campanha em favor da construção da torre. E para po-der cumprir com os compromis-sos da construção, foram em-prestados Rs 2:500,S000 ,de pessoas da Comunidade. Estas receberam. Notas Promissórias (Schulds-cheine), que seriam pagas no es-paço de 5 anos.

A inauguração da igreja deu-se no dia 03 de janeiro de 1896. É interessante citarmqs as pala-vras que constam do relatório do P. v. Czekus sobre a inaugura-ção da igreja: "Com alegres espe-ranças entramos no novo ano, cada um pedindo a ajuda bondo-sa de Deus, pois no dia 0,6 de ja-neiro deveria ser inaugurada a trato data de 04/05/1896 redigi-do nos seguintes termos: "A Co-munidade Evangélica de Brusque nomeia para ser pastor em sua Comunidade o Rev. P. Wilhelm Lange a partir de 1°. de julho de 189,3 e assume o compromisso de:

1) Pagar-lhe em 4 parcelas o ordenado anual de Rs. 2:000$000.

2) Conceder-lhe moradia gra-tuita e o uso dos terrenos perten-centes à Comunidade. Em contrapartida o P. Lan-ge se prontifica à:

1) Assumir o cargo de pastor a partir de 1°. de julho e de de-sempenhá-lo durante 5 anos.

2) Desempenhar o cargo se-gundo os preceitos da Igreja E-vangélica, pregando a Palavra de Deus pura e retamente e celebrar a Santa Ceia conforme as pala-vras de nosso Senhor Jesus Cris-to. Zelará pela doutrina e educa-ção das crianças; observará os Estatutos da Comunidade e será um bom exemplo para a Comu-nidade através de palavras e a-ções".

-•-

Na reunião da Diretoria de 15/06/1896 resolveu-se:

1) Preencher uma Letra de Câmbio no valor de Rs. 1:000$000 em favor do Sr. Adolf Bruns, que havia trabalhado como car-pinteiro na construção da igreja. Esta quantia seria paga até 1°. de outubro de 1900, acrescida de 5% de juros.

2) Dois representantes da Diretoria iriam a Itajaí recepcio-nar o P. Lange.

3) Ao P. vont Czekus será en-tregue na sua partida um documento, comprovando seu traba-lho como Pastor da Comunidade.

O P. von Czekus na sua des-pedida agradeceu pela colabora-ção dos membros, principalmen-te na construção da igreja e ad-moestou-os para que também no futuro participassem ativamente da vida na igreja.

Já no dia 19 de julho o P. Wilhelm Lange saudou o Conse-lho da. Comunidade, pedindo que lhe concedesse férias sempre no mês de outubro para visitar sua antiga Comunidade de Brueder-thal.

O zelador Boehm desligou-se da Comunidade por motivos de doença. O seu lugar foi assumi-do pelo Sr. Carl Siemsen no dia 1°. de dezembro de 1896. Este assumiria o repicar do sino con-forme ordem existente. Limparia o cemitério e as catacumbas 4 ve-zes por ano. Antes das Festas de Natal teria que limpar as janelas e todo o interior da igreja. Procu-rava-se na época um organista para a igreja.

Já em 1897 houve queixas para com o novo pastor, pois cos-tumava ausentar-se várias vezes por ano e a Comunidade ficava só. Por conseguinte o Conselho da Comunidade resolveu que fu-turamente o pastor só teria o di-reito de se ausentar da Comuni-dade com autorização da Direto-ria.

Na reunião do Conselho da Comunidade do dia 23/09/1900 o P. Lange pediu aumento do seu, ordenado e renovação de seu con-trato com a Comunidade. Ambos os pedidos foram aprovados.

Passando para o Século XX o relatório de 27/01/1901 do P. Lange fez as seguintes considera-ções: "No início de um novo Sé-culo convém aos cristãos silenciar para fazer um balanço, a fim de que deste lembrar do passado, possamos distingüir a fidelidade para enfrentar o futuro. Uma tal retrospectiva sempre será motivo para agradecer, apesar das horas escuras, pois o agradecer é dever do cristão. Assim diz o Senhor: Quem sacrifica gratidão, exalta-me, e este é o caminho, que lhe mostro, a minha salvação. A gra-tidão é uma premissa se quiser-mos receber salvação para o fu-turo".

No início do Século a dívida da construção da igreja era de Rs 1:500S000. Mesmo assim foi adquirido um harmônio novo por Rs. 1:200S000. Para pagá-lo foí levantada uma coleta e várias pessoas emprestaram dinheiro sem juros para 2 anos. Este novo harmônio foi inaugurado no Na-tal de 1900 e encontra-se em uso no Centro Evangélico.

Em outra reunião do Conse-lho da Comunidade de 15/12/1901 resolveu-se colocar a velha igreja totalmente à disposi-ção da Escola com o compromisso de mantê-la em ordem. Igualmen-te seria colocado mais terreno à disposicão para novas constru-ções. Estas regalias só teriam valor enquanto os membros da Diretoria da Sociedade Escolar fossem da Comunidade Evangéli-ca .; A esta altura a Escola 'já tinha 2 professores: Reinhard Graupner e Moritz Lehmann. Devido a au-xílios recebidos da Alemanha, ti-veram que ser reformulados os Estatutos da Escola, que passou a chamar-se de "Escola Alemã" a partir de 1902. Para tais escolas, nas quais a língua alemã era le-cionada, o Governo da Alemanha, designava dinheiro. As doações recebidas foram colocadas a ju-ros e em 1912 finalmente foi pos-sível construir uma nova escola, pois a velha igreja não oferecia mais ambiente satisfatório. Em 1909 foi contratado um 3°. pro-fessor para a escola na pessoa do Sr. Hans Wiedemann.

Voltando à Comunidade, constatei que em 1903 já havia um coral, pois pedia-se na época uma melhor iluminação da igre-ja para os ensaios. iErn 26 de julho de. 1903 to-mou-se uma decisão arrojada: Para acabar com a dívida da igre-ja seriam realizados 2 leilões —um no dia 210 de agosto para uma parte da Comunidade; o outro no dia 27 de setembro para a outra parte da Comunidade.

Até 1904 a Comunidade E-vangélica de Brusque não estava filiada a nenhuma entidade reli-giosa. Em Santa Catarina ainda não existia uma entidade que fosse responsável pelas Comuni-dades Evangélicas. Este fato le-vou o P. Lange a propor a filia-ção da. Comunidade à Igreja E-vangélica na Alemanha. Esta fi-liação teria a vantagem de a Co-munidade receber os pastores desta. Igreja e estaria ao mesmo tempo subordinada a esta entida-de em assuntos eclesiásticos. A Diretoria reunida no dia 24 de ja-neiro de 19C4 aprovou esta pro-posta. Já no dia 31 de janeiro realizou-se uma Assembléia do Conselho da Comunidade, na qual o P. Lange esclareceu sobre os direitos e deveres que a Comu-nidade teria uma vez filiada à. Igreja Evangélica da Prússia. Lo-go após, foi enviada correspon-dência ao Conselheiro Mor da Igreja Evangélica da Prússia, pe-dindo a filiação. A Comunidade prontificou-se a adaptar os Esta-tutos à nova realidade.

No dia 27 de agosto de 1905 foi lida na reunião da Diretoria a carta recebida da Igreja Evangé-lica da Prússia, na qual constata-va que fora aceito no dia 11 de junho de 1905 a filiação da Co-munidade (Evangélica de Brusque à Igreja Evangélica da Prússia. Esta filiação foi outorgada pelo Imperador da Alemanha. Na mes-ma correspondência foi enviado o "Documento de Vocação" do P. Lange, que lhe concedia o direi-to legal de continuar a trabalhar na Comunidade de Brusque.

Na Assembléia do Conselho da Comunidade de 11 de novem-bro de 1907 foram aprovados os novos Estatutos, os quais legali-zavam a filiação da Comunidade à Igreja Evangélica da Prússia. Lemos nestes Estatutos:

§ 1 — A área de ação da Co-munidade Evangélica de Brusque é o Município de Brusque e muni-cípios limítrofes.

§ 2 — A finalidade da C'omu-nidade Evangélica é: A edificação comunitária conforme a organi-zação da Igreja Evangélica da A-lemanha e promover a piedade e a moral, que terá sua expressão no temor a Deus. Será prestada obediência às autoridades e man tido o compromisso consensioso entre as pessoas das famílias.

§ 3 — A Comunidade Evan-gélica terá como base de sua fé e vida a Escritura Sagrada e con-fessa-se ligada aos ensinamentos da Igreja 'Evangélica, como os en-contramos nos escritos da Refor-ma.

§ 4 — A Comunidade Evan-gélica de Brusque filia-se à Igreja Evangélica da Província mais an-tiga da Prússia.

§ 5 — O pastor será chama-do para servir pela Diretoria da Comunidade. Mas a aceitação ou demissão definitiva dependem do Conselheiro Mor de Berlim (Ale-manha) .

§ 20 — O Conselho da Co-munidade vota para um período de 4' anos uma Diretoria EXecu-tiva. Ela é formada pelo pastor como seu Presidente; de um. Vice-Presidente, de 2 Secretários e de 1 Tesoureiro.

Em correspondência de 27 de dezembro de 1907 o Conselho Mor aprovou os novos Estatutos da Comunidade. Os Estatutos fo-ram traduzidos para o português e impressos 600 exemplares, dos quais cada família receberia um exemplar.

Outro marco importante no ano de 1907 foi a fundação da "Sociedade Evangélica Caritativa (Evangelischer Wohltaetigkeits-vereM) . Sua fundação deu-se no dia 031 de dezembro de 1907, mas a Assembléia Constituinte foi no dia 29 de dezembro de 1907. Da ata desta. Assembléia destacamos: "A convite da Sra. Pastor Langc um grupo de senhoras reuniu-se nas dependências da Escola Alemá.. Reconheceram a necessidade de fundar um "Asilo para Idosos". Aprovou-se na ocasião os Estatu-tos e foi escolhida a primeira Di-retoria: Pres. Sra. Clara Lan-ge; Tesoureira - Mathilde Becker Lehmann; demais membros: Ca-roline Krieger; Ida Krieger; Sel-ma Renaux; Anna Koehler, Anna Ulber, Luise von Czekus. Estas senhoras tomaram sobre si a res-ponsabilidade de cobrar mensal-mente a taxa das associadas. Es-ta Sociedade é hoje a Associação das Damas de Caridade, Mantene-dora do Hospital Evangélico, da Maternidade Cônsul Carlos Re-naux, do Jardim de Infância Bom Pastor, e das obras sociais, aten-dendo anualmente centenas de pessoas necessitadas. A Diretoria da Comunidade em sua reunião de 06 de setembro' de 1908 recidiu colocar um terreno à disposição da Sociedade Caritativa, para ne-le construir o Asilo de Idosos. As senhoras compraram uma casa e a reconstruiram no terreno ce-dido e já no ano de 1909 o Asilo recebeu seus primeiros morado-res.

Desde 1906 o P. Lange teve problemas com a sua saúde. Vá-rias vezes teve que deixar de rea-lizar o trabalho de rotina. Assim registra uma ata da Reunião da Diretoria de 20 de abril de 1909: "A pedido do Sr. P. Lange e de seu médico, que seja liberado de realizar os cultos aos domingos, a Diretoria decidiu que nos 4 do-mingos seguintes não precisaria realizar os cultos previstos. Só serviços inadiáveis seriam por ele efetivados".

Mesmo assim o¡P. Lange não conseguiu mais desempenhar o seu cargo, pedindo demissão. O Conselho da Comunidade, reuni-do no dia 25 de julho de 1909, a-ceitou o pedido e agradeceu pelos relevantes serviços prestados à Comunidade e à Escola durante os 13 anos. Foi Presidente da Co-munidade, fazia parte da Direto-ria da Sociedade■Escolar e foi pro-fessor.

Ao mesmo tempo o Conse-lho resolveu dirigir carta ao Con-selheiro Mor da Igreja Evangéli-ca da Prússia, pedindo que en-viasse outro pastor para a Co-munidade. Em carta de 12 de outubro de 1909 o Conselheiro Mor comunicou que seria envia-do o P. Gerold Hobus, que ini-ciaria o seu trabalho no dia 1°. de janeiro de 1910.

Nota: Continua no próximo nú-mero. Werner Brunken - Pastor

Casa de Brusque