Entrevista Aurélio Laus - Luiz Gianesini

De Sala Virtual Brusque
Revisão de 14h19min de 7 de junho de 2016 por Alicas (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegaçãoIr para pesquisar
Aurélio Laus.

AURÉLIO LAUS, popular LUKITA: Filho de Luiz Lindolfo e Ana Roncelli Laus, natural de Brusque, nascido aos 15.04.42. São em três irmãos: Moacir, Nargal e Aurélio; um filho: Eder; um netinho; Torce pelo C.A. Carlos Renaux, Corinthians e Vasco da Gama.

Como foi sua infância e juventude?

A infância foi muito sofrida... muito trabalho: buscar leite, animais, entregar leite, buscar carne na Renaux para terceiros. Na juventude gostava de caçar, pescar e jogar futebol.

Como foi sua carreira?

Iniciei no infanto-juvenil do C.A. Carlos Renaux, com 15 anos de idade, passando para o titular da meta do tricolor brusquense, onde permaneci, por aproximadamente, oito temporadas; em seguida fui para o Paysandu, permanecendo por uma temporada.

Posição?

Goleiro.

Uma grande defesa?

Foi numa partida entre Renaux e o Palmeiras, em Blumenau. Estava mais para o canto direito, e a bola foi chutada no alto do ângulo esquerdo, saltei lá no terceiro andar e cai segurando a redondinha firme. Fui aplaudido de pé.

Um vitória inesquecível?

Foi atuando pelo C.A.Carlos Renaux Diante do Figueirense, em jogo realizado em Florianópolis, pelo Certame Estadual. Vencemos por 1 x 0.

Grandes treinadores?

Laerte Dória e Alípio Rodrigues.

Grandes dirigentes?

Tônica Pereira, Arno C. Gracher, Adriano Schaefer, Lélo Bauer.

Grandes atletas com quem atuou junto?

No tricolor brusquense: Teixeirinha, Petruscky, Euclides Bianchini, Ivo Willrich (in memoriam), Pereirinha (in memoriam), Merízio (in memoriam), Brandão, e no verde branco da Pedro Werner: Julinho Hildebrand, Nilo Boing (in memoriam), Godoberto, Mima ( in memoriam).

Grandes equipes na época?

Avaí, Figueirense, Marcílio Dias, Barroso, Olímpico, Palmeiras, Carlos Renaux, Paysandu, Caxias, América, Metropol e Ferroviário.

Brusque com duas ou três equipes?

Ah, Carlos Renaux e Paysandu, que representam a tradição, com o Brusque não existe aquela animação da galera.

Referências

  • A Voz de Brusque. Entrevista publicada em 13/18 de fevereiro de 2006.