Entrevista Anselmo Paza - Luiz Gianesini

De Sala Virtual Brusque
Revisão de 12h08min de 9 de abril de 2013 por Alicas (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegaçãoIr para pesquisar
Anselmo Paza1.jpg

ANSELMO PAZA: Filho de Augusto e Adelina de Modesti Paza; natural de Brusque, nascido aos 10.11.29. São em onze irmãos: Otávio, Anselmo, Lauro, Antônio, Olindina, Olga, Lídia, Clara, Paula, Alaíde e Odete. Cônjuge: Umbilina Gianesini Paza, casados aos 17.01.53; cinco filhos: Lígia, Rosana, Sílvio Antônio, José Luiz e Ana Maria; sete netos: Carina Catiana e Carla Graciela (Lígia), Clísia Helena (Rosana), Lariane e Jaqueline (Ana Maria e Carlos Roberto Pruner), Thiago Antônio (Sílvio Antônio) e Gabriele Taís ( José Luiz); um bisneto: Vinícius. Torce para o Paysandu e Vasco da Gama.

Como foi sua infância e Juventude?

Anselmo Paza2.jpg

Auxiliava meus pais na lavoura, ia muito o tio Júlio, jogava bola, ia à Escola e, na juventude, jogava futebol, dançava e namorava.

Como conheceu a Umbilina?

Anselmo Paza3.jpg

Conheci no trabalho na Renaux, trabalhávamos bem próximo, ela trabalhava na espularia e eu na tecelagem. Ela ia muito lá em casa, tinha amizade com Paula, minha irma e fomos nos conhecendo cada vez mais... ela ia também torcer nos jogos do Operário, lá no “Smul”.

O casamento ainda é válido?

Anselmo Paza4.jpg

Ainda é, veja nós gostamos um do outro da mesma forma que antigamente e, é o casamento que dá base a família.

Em que equipes atuou?

Anselmo Paza5.jpg

Iniciei aos 12 a 13 anos nas peladas, fui para os juvenis do Paysandu e depois para o Operário e, depois, para os aspirantes do Paysandu, tendo ficado suplente dos titulares.

Zagueiro?

Usava a número 5, naquela época, diziam centro-médio.

Qual o perfil de Anselmo?

Eu jogava futebol com alegria e era mais clássico.

Além do América, que outras equipes existiam?

Operário, América F.C.(Steffen), União (Santa Terezinha), Guarani, São Pedro (o time do Imhof), Aymoré, Catarinense (que depois passou a ser Guabirubense).

Entre que clubes ocorria a maior rivalidade?

A maior rivalidade era entre o Operário, Guarani e União.

Vitória inesquecível?

Foi na partida realizada em Pomerode, quando perdíamos por 1 x 0 e viramos por 2 x 1, foi emocionante.

Derrota atravessada?

Foi para o Guarani, no estádio Augusto Bauer, perdemos a decisão da segunda divisão.

Grandes atletas?

Antônio Paza, Vidinho, Lauro Paza, Hercílio Ristow, Constantino, Nelson Olinger, Mário Zimermann, Otávio Constantino, Nego Kuhn, Heinz Appel, Chico Appel, Irineu Gonzaga, Olegário Rosin, popular Cachaça, Orlando e Wilimar Ristow.

Grandes dirigentes?

João Miguel, Angelo de Modesti, Arthur Jacowicz, o popular Polaco, Arthur Appel (in memoriam), Armando E. Polli (in memóriam).

Grandes treinadores?

João Schmidt e Nilton Manguilhotti.

Cenário do futebol em Águas Claras : Por que e como acabou o Operário?

Parou por falta de interesse de dirigentes; na época dirigia os destinos do operário o Jordino Amorim, ele foi embora, e o saudoso Ivo Groh ficou dirigindo... no fim faltou liderança para manter o clube.

Uma palhinha da vida profissional?

Trabalhei na lavoura com os pais, aos 14 anos ingressei na Renaux, permanecendo por 30 anos. Ao mesmo tempo – nas folgas- trabalhei como garçom por mais de 15 anos e, após a aposentadoria, trabalhei na construção civil.

Qual o perfil do bom garçom ?

Ter educação, atender bem, não dar atenção aos comentários que ouve dos clientes.

Referências

  • Entrevista publicada em A VOZ DE BRUSQUE, em 15 de julho de 2006.