O grande dirigível

De Sala Brusque Virtual

  • Robson Gallassini, Historiador[1].

Um dos acontecimentos que marcaram a história da cidade de Brusque foi a passagem do dirigível alemão, “Hindenburg”. A Alemanha, se destacou na construção de dirigíveis, é notória a figura do conde Ferdinand Graf von Zeppelin, construtor destas máquinas voadoras no século XIX. Assim, Zeppelin tornou-se sinônimo de dirigíveis. A história do “Hindenburg” ( Zeppelin), inicia durante o regime nazista, encomendado por Adolf Hitler, foi concebido como um formidável instrumento de propaganda do regime. Era gigantesco, um transatlântico de luxo, que elevaria o nome da Alemanha nos céus de todo o mundo. Transportava 50 passageiros, e impressionava. A 30 de março de 1936, foi inaugurada uma linha regular de vôos para Rio de Janeiro.

Sua chegada em Brusque foi assim descrita pelo Jornal O Progresso:

Brusque, 05 de dezembro de 1936.

O grande dirigível

Brusque assistiu na manhã de 1º de dezembro o deslumbrante espetáculo da visita do soberbo dirigível “Hindenburg”. Seriam cinco horas da manhã daquele dia memorável quando uma luz no alto do firmamento então já iluminada pelo sol nascente, anunciou muito longe e muito alto a aproximação da belíssima aeronave. Pouco depois ouvia-se o roncar longínquo dos possantes motores. [...]

Por toda parte olhos ávidos da sensação do espetáculo inédito sondavam o horizonte do quadrante Norte. Sereno, como que deslizando suavemente aparece logo depois, a todos os olhares o gigantesco dirigível, que honra o gênio inventivo do povo germânico.

O povo saúda-a e quando ela passa grande altura ostentando à ré a cruz suástica do novo Reich e no bojo em caracteres negros o nome de “Hindenburg”, centenas de braços se erguem numa grande saudação expressiva. Lenços se agitam, palmas reboam, frases de entusiasmo se ouvem e sobre a cidade que aclama, que saúda, o “Hindenburg” faz o seu passeio aéreo e ruma para o litoral, sereno, luzindo sob a luz brilhante de um sol de dezembro. [...]

Para aprofundar conhecimentos sobre o tema sugerimos a leitura do capítulo - “1900 a 1950: um relato dos acontecimentos que marcaram a história brusquense” – de autoria de Robson Gallassini, publicado no livro: “Brusque 150 anos: tecendo uma história de coragem”.

Referências

  1. (In Memorian) Historiador brusquense, pesquisador e professor.
Ferramentas pessoais