Águas Claras

De Sala Brusque Virtual

Tabela de conteúdo

Histórico da Comunidade[1]

A Colônia Príncipe Dom Pedro[2][3]

Nossa comunidade tem uma história pouco conhecida pela maioria dos brusquenses.

O local onde hoje fica nossa comunidade, da margem direita do rio Itajaí-Mirim até Botuverá e Nova Trento, pertenciam a Colônia Príncipe Dom Pedro, que existiu até 1873, quando foi incorporada a Colônia Itajahy. A nova Colônia era formada por colonos vindos principalmente dos Estados Unidos, da Irlanda e da Inglaterra, além de escoceses, franceses, belgas, suíços e espanhóis em menor quantidade, além dos alemães vindos anos antes. No seu auge, contou com mais de 670 imigrantes estabelecidos.

Vinham a procura de ouro e outros metais preciosos. Alguns tiveram sucesso, encontrando grande quantidade onde hoje fica o Ribeirão do Ouro, em Botuverá. Ficaram em terras brusquenses por somente dois anos, a maioria retomando a sua terra natal.

A colônia teve uma vida curta, entretanto, bastante agitada. Quando os colonos americanos chegam ao barracão dos imigrantes em Brusque, um clima de mal-estar pairava no ar. Os alemães aqui já presentes não se sentiam a vontade e muito menos confiavam nesses novos vizinhos.

O próprio Barão de Schneeburg já havia escrito à presidência de Província de Santa Catarina em março de 1867 afirmando: “... tenho de levar ao conhecimento de Vossa Excelência que a maior parte dos colonos irlandeses é gente de péssima conduta, afeitos a embriagar-se e roubar em casas e roças e a todo excesso sem limites. Ameaçando com facas e pistolas, com o fato prova, que se deu no dia 23 de Fevereiro na sede da Colônia, sendo pelos irlandeses atacados os colonos alemães e os brasileiros presentes, dando socos e bordoadas, e só a muito custo se pode reter os agredidos para evitar que corresse sangue. […]”

Esse comportamento inclinado a violência e a bebedeiras não agradava em nada as autoridades locais e aos trabalhadores alemães já instalados. Então, não demorou muito para que esses novos vizinhos fossem convidados e se retirar.

Analisando a história do nosso lugar, podemos compreender perfeitamente como essas brigas e desentendimentos seriam impossíveis de serem evitadas, afinal desembarcaram na Colônia Príncipe Dom Pedro imigrantes provenientes dos Estados Unidos, Irlanda, Escócia, França, Bélgica, Holanda, Suíça, Itália, Alemanha, Espanha, Portugal, Canadá, Áustria, Noruega e Dinamarca. Ao imaginar toda essa gente vivendo em uma mesma colônia, entendemos a dificuldade de comunicação e de convivência.

Eram muitas culturas diferentes, muitas visões de mundo que entravam por vezes em conflito entre si e com os vizinhos alemães de Brusque.

Hoje, moradores mais antigos contam que era comum achar garrafas cheias de cachaça ou vinho enterradas em meio a pastos e plantações, lembranças ainda desses colonizadores que tanto polemizaram e influenciaram os primeiros anos da nossa cidade.

Educação

E.E.B. Ivo Silveira

Em 6 de abril de 1915 tomou posse o Professor Antônio Victor de Souza, que ministrou aulas na Escola de Águas Claras, sob tutela do Governo Estadual. A inauguração do educandário e início das atividades educacionais no bairro ocorreu em 12 de abril de 1915[4].

C.E.I. Tia Laura[5]

Em 1977 a Prefeitura Municipal implantou o projeto "Fucabem" com o objetivo da atender as crianças no Salão da Igreja São Judas Tadeu. Inicialmente foram atendidas duas turmas de jardim pelas professoras Sandra Regla e Goreti Rudolfo Lang.

Por conta do crescimento demográfico e para facilitar a rotina dos pais, as crianças passaram a ser atendidas no prédio da antiga Escola Estadual Ivo Silveira, no terreno doado à rede estadual por Adelina Zirke. Mais tarde o referido terreno fora doado à municipalidade.

Em 12 de novembro de 1980 é denominada "Recreação Infantil Tia Laura" a sala de aula localizada no bairro[6]. O nome é uma homenagem à família de Laura Diegoli Batistoti.

Coordenaram o centro de educação infantil as pedagogas Saionara Lauritzen Eccel, Altair Maria Bertolini, Elísia Dalcegio e Keila Taise Kühn.

Em 2000 a Recreação Infantil "Tia Laura" passou a denominar-se Centro de Educação Infantil "Tia Laura"[7].

A data de comemoração do aniversário do C.E.I. é 30 de julho.

C.E.I. Águas Claras[8]

A Creche Águas Claras foi fundado em 22 de dezembro de 1996[9] no local do antigo posto de saúde.

Em parceria, comunidade e prefeitura realizaram algumas reformas no prédio destinado ao novo educandário. Em março de 1997 iniciaram suas atividades, recebendo inicialmente 28 crianças na faixa etária de zero a quatro anos, todas em regime integral.

Em 2000 a instituição passou a denominar-se "Centro de Educação Infantil Águas Claras"[10].

Referências

  1. Produzido pelos alunos da Escola Padre Luiz Gonzaga Steiner pelo Projeto “Memória Viva: Meu Bairro... Minha cidade.”. Pesquisa realizada em 2010.
  2. MICHEL, Carlos Eduardo. Choque entre culturas: a convivência entre alemães e outros imigrantes na região da Colônia Príncipe Dom Pedro. Brusque, 2010.
  3. Projeto Político Pedagógico da Escola de Ensino Fundamental Padre Luiz Gonzaga Steiner, 2003.
  4. Jornal Gazeta Brusquense. Edição de 17 de abril de 1915. p. 3.
  5. Informações fornecidas pela Secretaria Municipal de Educação.
  6. Brusque. Decreto nº 1.054 de 12 de novembro de 1980.
  7. Brusque. Decreto Nº 4.623/2000 de 20 de novembro de 2000. Altera identificação dos estabelecimentos de ensino da Rede Municipal de Ensino de Brusque em EEB, EEF e CEI.
  8. Informações fornecidas pela Secretaria Municipal de Educação.
  9. Decreto nº. 5.099/03
  10. Brusque. Decreto Nº 4.623/2000 de 20 de novembro de 2000. Altera identificação dos estabelecimentos de ensino da Rede Municipal de Ensino de Brusque em EEB, EEF e CEI.
Ferramentas pessoais